Reconhecer um bom trabalho é tão importante quanto pagar por ele

Empresas inteligentes sabem que mais do que criar um clima agradável, um bom programa de reconhecimento pode alavancar o retorno financeiro

10 · 05 · 2019

Ter um bom ordenado já não é a prioridade de muitos profissionais. Em algumas carreiras, uma remuneração condizente com o que seria justo pelo trabalho é vista como o mínimo a ser oferecido por uma empresa. As pessoas querem ser reconhecidas e valorizadas dentro das organizações.

Ser apenas mais uma peça da grande engrenagem que faz a empresa funcionar tornou-se um fardo nos tempos atuais. Por isso, quem deseja reter os melhores colaboradores precisa criar mecanismos de reconhecimento aos trabalhos desenvolvidos.

A ausência de reconhecimento pode ser indicada como uma das principais causas da desmotivação entre colaboradores. Essa falta de reconhecimento acontece de diferentes formas, desde o chefe injusto até a falta de valorização em cada projeto e tarefa realizados.

No livro “Por Que Fazemos O Que Fazemos”, o filósofo Mário Sérgio Cortella fala sobre essa questão e pontua que empresas inteligentes tendem a promover momentos para que os colaboradores sintam-se parte daquilo que fazem ao mesmo tempo em que necessitam perceber que a organização se interessa por eles e não somente os usa. Isso reflete no facto de que as pessoas de uma empresa precisam vislumbrar-se não apenas como uma propriedade no sentido maquinário do termo, mas parte de uma organização que também as cuida.

Estudos comprovam que um melhor clima organizacional e ações motivacionais geram maior produtividade, melhor atendimento ao cliente e melhorias no desenvolvimento de produtos. Reconhecer não se trata de uma questão de proferir elogios, mas encontrar maneiras de dar a energia que o colaborador precisa para continuar a fazer o seu trabalho e seguir em frente.

As empresas que desejam prosperar, principalmente com a ajuda de novos talentos, precisam evitar mensagens negativas, comumente utilizadas com as gerações passadas. Afirmações como “não ser mandado embora já é um elogio” ou "o silêncio é a melhor maneira de dizer que está tudo em ordem" devem ser extintas de uma vez por toda da cultura de uma empresa que deseja crescer e, principalmente, consolidar-se como uma employer branding.

Está certo que, como afirma o filósofo Mário Sérgio Cortella, a motivação é um movimento interno, portanto, inerente de cada ser. Porém, uma pessoa se encontrará mais motivada se for estimulada a fazê-lo. É por isso que as empresas precisam criar movimentos de estímulo em relação à atividade do trabalhador, promover a formação contínua e o reconhecimento. Afinal, mais do que criar um clima agradável na empresa, um bom programa de reconhecimento pode alavancar o retorno financeiro.

Como promover o reconhecimento?

shutterstock_1075401713

Já percebemos que reconhecer o trabalho dos colaboradores é essencial para as empresas que valorizam e querem reter os seus melhores talentos. No entanto, a grande questão é como fazê-lo de uma maneira efetiva. Um programa de reconhecimento de funcionários pode tanto reter as pessoas como fazê-las irem embora de vez. Desse modo, fique atento a algumas questões cruciais:

#1 Evite anonimatos

Uma estrutura muito grande de trabalho em equipa tende a levar quase que à anulação do reconhecimento do indivíduo. Com isso, atualmente é comum ver um forte anonimato na produção das empresas. No entanto, é importante lembrar que o trabalho em equipa é resultado da união de ações individuais.

Por isso, é necessário que a empresa “dê nome aos bois”, exalte e mostre quem colaborou para que todos chegassem ao resultado final. À medida que o colaborador é reconhecido e há uma certa comemoração sobre os seus feitos, naturalmente a sua energia para seguir noutros projetos é renovada. Ao mesmo tempo passa a ser ultrapassada a ideia do simples cumprimento de uma tarefa, da realização de algo apenas por obrigação.

Lembre-se que o reconhecimento não é só financeiro, é também autoral. Isso implica evitar ao máximo os anonimatos dentro das organizações. Reconhecimento é a principal forma de estímulo que alguém pode ter. 

#2 Não celebre apenas o tempo

Algumas empresas cometem o erro de celebrar apenas datas comemorativas. É claro que ter um funcionário que está há 10 ou 20 anos é algo muito positivo para a organização, porém, esse não deve ser o único momento a ser comemorado. Quando o foco é apenas este, há o risco de deixar passar ações que mereciam um maior reconhecimento, tanto dos colaboradores antigos como dos mais jovens.

Imagina passar um ano inteiro a trabalhar e não ganhar algum tipo de reconhecimento? É isso o que acontece quando a empresa se foca apenas no tempo de trabalho. O reconhecimento do colaborador deve vir logo após as suas contribuições e esforços. Se fizer um bom trabalho, avise-o na hora – principalmente quando estamos a tratar dos profissionais Millennials.

#3 Reconhecimento imediato para quem precisa

Se o reconhecimento é algo importante entre os funcionários que foram criados com a ideia de “trabalhar por trabalhar”, imagine como essa logística funciona com os colaboradores mais jovens. As empresas ainda estão a aprender como atrair e reter profissionais Millennials. Algumas já possuem uma certa inteligência estratégica e estão a preparar os seus gestores para que acolham esses novos talentos.

Este tipo de aflição ganha maior evidência com a geração de novos profissionais que aprendeu a sonhar alto, a mesclar o trabalho com os seus projetos de vida e a ter respostas imediatas. Colaboradores com menos de 30 anos tendem a não ser conformados, desejam uma rotina que não seja monótona e têm extrema necessidade de fazer a diferença naquilo que estão propostos a realizar. E como sabem eles que estão de facto a fazer alguma diferença? Acertou quem respondeu o óbvio: com o reconhecimento.

E nesses casos o tempo de reação da empresa é crucial. Independentemente da geração, quando se trata de demonstrar gratidão, o “quanto antes” é essencial. Portanto, não espere semanas para reconhecer uma conquista. Elogie o desempenho na hora do feito, em vez de mais tarde.

#4 Confiança também é reconhecimento

Assim como o reconhecimento não precisa ser financeiro, também não está atrelado na forma de confirmação verbal.Deixar um colaborador assumir um projeto com autonomia, além de ser um grande reconhecimento, é uma maneira de demonstrar confiança no seu trabalho.

Além disso, pesquisas mostram que50% dos funcionários acreditam que receber agradecimentos dos seus gestores melhora o relacionamento e constrói confiança com os seus superiores. Portanto, gratidão aqui também é palavra-chave para a construção dessa tão estimada e necessária relação de confiança na equipa.

Posto isso, fica claro que o reconhecimento de colaboradores tem impacto de várias maneiras no ambiente de trabalho, desde a produtividade até a relação de atendimento dos clientes. Assim, é fundamental que as empresas parem de pensar no reconhecimento como uma boa ideia, mas difícil de se realizar, tendo em vista todos os benefícios que pode trazer para os negócios.